sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

A surrealidade gráfica do tempo, observações e dicas - Por Thaís Leal

Você ouve baladas batidas, sorri chorando, tenta ver o lado bom, lembra das vezes que ficaram juntos, dormiram juntos e parece que tudo vem a tona. Parece que nunca acabou. Mas sim, acabou.

O tempo passa, mas como num gráfico pra lá de surreal... a dor ao invés de diminuir, aumenta, aumenta ao ponto de quase te deixar louco, muitas dessas vezes você faz coisas para se convencer que ainda é dono do próprio corpo, coração e atitudes. E numa atitude totalmente contrária a tudo você faz coisas que só provam que você ainda não esqueceu, que seus desejos e sentimento estão presos a um outro corpo, que não o seu, e que você teria para si o resto da vida.

Medo de estar sozinho, de não ter a quem dar as mãos num dia de domingo, tudo isso se passa por sua cabeça. Vira uma neura. Pessoas na rua, músicas no MP3, tudo faz lembrar. Essa é a pior fase de todas, confesso.
 
Derrepente, o gráfico começa a mudar de rumo... a dor chega ao ápice e começa a diminuir. Você começa a perceber que as coisas não eram exatamente do jeito que você gostaria que fossem, você novamente viveu um relacionamento sozinho e foi egoísta.

Você passa a observar as sequelas de tanto sofrimento, você tem olheiras, engordou, não se arruma e tem sido apenas um vulto por onde passa.
Belo dia resolve colocar sua melhor roupa, arruma os cabelos - e por um momento se lembra do sorriso do motivo da sua 'doença' - continua, tenta esquecer e continua a se arrumar, esconde as olheiras e sai por ai, distribuindo sorrisos, observando e conhecendo pessoas e por alguns momentos você percebe que a tal pessoa agora começa a ser apenas mais uma cicatriz no meio de tantas.
 
É preciso continuar, caindo, levantando, mas mesmo assim... seguindo. É preciso fechar os olhos milhões de vezes, respirar fundo muitas outras, mas é preciso deixar que todos os seus próprios sentimentos se arrumem dentro de você. Ai sim, você está pronto novamente.
 
 

Aos meus grandes!

Não sei se alguém ainda frequênta este meu espaço (http://www.inspiradissima.blogspot.com) , mas gostaria de dizer que Srta. Inspiradíssima que antes estava na "UTI, respirando com a ajuda de aparelhos", agora "Se encontra em recuperação e já respira sem ajuda".

Ainda não consigo escrever como antes, ainda não consigo sentir como antes.. mas ainda estou aqui e confesso que sinto falta de todos os surtos de inspiração que tive e que me fizeram tão, mas tão feliz.

É impossível conter lágrimas determinados dias, com determinadas lembranças, mas o importante é que estou me recuperando.

Desculpas não cabem mais, eu só tenho a agradecer, o carinho, o apoio e o amor de todos vocês.

A verdade é que minha vontade tem sido a de sair de órbita, mudar de nome, telefone, corte de cabelo. Por uma única noite fingir ser quem não sou.
Não sei onde guardei minha vaidade, não sei mais como pintar minhas unhas, estou cansada da minha necessidade de alguém e há quem diga que esse meu afastamento do mundo 'mulherzície' seja um primeiro sintoma de depressão.

2011 foi um ano difícil, cheio de apostas, escreve-apaga, pessoas que chegaram e me surpreenderam, pessoas velhas que se foram e não fazem falta. O fato é que hoje, emocionalmente falando, me encontro sem fichas para apostar. Feito viciado em cassino quando o dinheiro acaba.

Foi preciso ter o coração partido mais uma vez para perceber que coração é apenas uma parte do corpo, sem mais.
Por hora eu não quero um amor, por enquanto não quero sequer imaginar a possibilidade de partir algo que ainda não se recuperou. Pela primeira vez na vida... eu ainda não superei e não tenho vergonha de dizer isso.
 
Sem mais sentimentaloidismos... desejo aos meus grandes amigos, um ótimo fim de ano, saibam que amo cada um de vocês... os novos e o mais antigos... todos vocês fazem parte de mim, todos vocês um dia me ofereceram a mão num momento difícil e isso estará marcado em mim para todo o sempre.
 
Que papai do céu saiba entender suas necessidades e apoie nos momentos mais difíceis, que vocês tenham força para viver e entender a vida com maestria.
Que tenham um amor para toda a vida e nunca se esqueçam que aqui, em mim, tem uma amiga para todas as horas.
 
Tenham um feliz natal e uma ótima virada de ano!
 
Um beijo,
Inspiradíssima.
segunda-feira, 27 de junho de 2011

Apenas um desabafo.





"Já pensei em te largar
Já olhei tantas vezes pro lado
Mas quando penso em alguém
É por você que fecho os olhos."
(O que eu também não entendo - Jota Quest)
sexta-feira, 17 de junho de 2011

O fim!


Fim de relacionamento é uma época meio complicada. Dependendo do tipo de pessoa, é uma guerra de acusações ou uma novela mexicana.

Apesar disso tudo, sempre tem um lado que sofre mais do que o outro. E esse mesmo lado, geralmente, é composto por alguém que não sabe se sofre porque tudo acabou ou se sofre porque o outro também não sente o mesmo.

Talvez isso tenha uma explicação considerável.
Você se envolve, se dedica, se doa, se dá. Do outro lado tem apenas alguém que recebe, mas não faz o mínimo esforço para retribuir.

Das duas uma. Ou você está sozinha em um relacionamento imaginário ou se relaciona com alguém que viu em você uma oportunidade perfeita de ter tudo "do bom e do melhor" (sentimentalmente falando) sem um pingo de esforço.

Algumas pessoas se envolvem tanto na tarefa de "fazer o outro o mais feliz possível" que não percebem que podem estar sendo egoístas. Sim! Egoístas.
Essas pessoas estão vivendo um relacionamento(ou sei lá o que) sozinhos. E quando se vive algo sozinho, é IMPOSSÍVEL obter respostas. É como fazer perguntas a uma parede.

Parede ou pessoa. Você sabe que vai doer, inteligente é quem percebe isso logo e parte para a próxima, rômantico é aquele que insiste e acha que um dia a tal porta pode ganhar vida.
quarta-feira, 15 de junho de 2011

Marcado!

Certas horas eu me orgulho de ser cada pedacinho de tudo que escrevo. Mas, algum tempo depois, quando leio tudo, absolutamente tudo que escrevi eu vejo que no final das contas, eu sou apenas alguém marcado demais.

Já muito me disseram sobre isso. Mas um passado, é sempre um passado e só nós mesmos podemos saber até que ponto esse passado nos marcou e definiu parte das nossas características.

Um exemplo:
Eu costumava ser alguém mais racional, mas hoje em dia, ao invés de me trancar dentro de medos e incertezas eu resolvi tentar, tentar, tentar e tentar até que não me sobrem mais forças para continuar tentando.

Mas, o que eu tanto tento?
Eu tento amor. Quem me conhece sabe. Todos os meus objetivos de vida não fariam sentido se não fosse o tal do amor.

Certas horas me flagro meio indignada com esse meu 'egoísmo'. Afinal de contas, corro muito atrás de um futuro profissional digno e no final das contas ele passa a não fazer sentido se não vier acompanhado de amor, do amor de alguém.

Com o tempo, eu perdi meus limites e quando a tal busca faz doer, eu sinceramente não sei mais se sinto do jeito que deveria. Eu não sinto, mas fica marcado. Em cada parte da minha alma, por menor que seja, um risco, como num sinal de tentativa. Um risco, uma marca. Só pra eu não esquecer. 

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Nova parceria!


Apesar de ter dito que 'abandonaria' o blog temporariamente, minha alma de blogueira falou mais alto e eu acabei me envolvendo em um outro projeto diferente do inspiradíssima e do inspiradíssimaplus.

Além desses dois blogs, agora sou co-autora do blog Emprego Virtual
O blog é sobre empregabilidade e apresenta muitas dicas de comportamento, entrevista, currículo e afins.
Lá darei dicas sobre informática voltada para o ambiente de trabalho, numa coluna semanal.
Espero que gostem.


domingo, 29 de maio de 2011

Chuviscos de festa.

  O dia se mantinha irredutível, céu cinza, vento geladinho no rosto e a ideia de que tudo que poderia acontecer durante a noite fosse por água a baixo, literalmente falando.
  Passei parte do dia pensando em como o dia se daria e você foi o mais latente pensamento. Resolvi ligar e como sempre conseguimos falar sobre os mais diversos assuntos, vamos de RH até tecnologia da informação em poucos minutos, isso tudo depois de passar por comportamento interpessoal, música, Lapa, amigos e por ai vai.
  As horas se passaram, tudo começou a se arrumar para que eu me encontrasse com você.
  Tudo aconteceu da mesma forma de sempre. Sorriso sem jeito, mecher de cabelos, beijo com gosto de "Oi, senti sua falta" e um belo sorriso debochado de resposta como num "Eu sei, eu sei... ".
  Precisamos dar algumas voltas por um lugar onde não gostaríamos de estar, mas creio que apenas a companhia um do outro já era suficiente, como sempre tem sido.
  A noite continuou correndo e finalmente tivemos que executar o plano inicial de comemorar o aniversário de um grande amigo meu. No caminho, por mais que o ar me faltasse, risadas não faltavam e a culpa era de quem andava de mãos dadas comigo. Entre passos rápidos, inspira-expira mais forte do que o normal eu vi no nos olhos dele um "quê" de preocupação e carinho.
  Pouco tempo depois de chegarmos no local pretendido, trocamos algumas palavras com os presentes e algum tempo depois o aniversariante nos flagrou combinando uma 'jogatina' e esse foi o papo por quase toda a noite.
  Na maior parte, eu só observei e a cada palavra, gesto ou expressão eu percebi que ele estava bem estando ali. E eu estava bem também.
  O fato dele estar bem e confortável com todas aquelas pessoas era significativo demais pra mim. Assim como todo e qualquer dia que estou ao lado dele.
  É assim, a cada dia mais, a cada dia mais forte e a cada dia mais simples. Tem me feito bem.
quarta-feira, 25 de maio de 2011

Uma justificativa aceitável.

Tem algum tempo que não consigo escrever algo que realmente sirva para ser colocado no blog.
Na verdade, existe muito a ser dito, mas vir aqui e transformar sentimentos em palavras é o tipo de coisa que eu não quero fazer agora. 

Tenho pensado em mudanças que fariam o blog evoluir de alguma forma, mas eu não sei se quero que isso aqui evolua. Porque com a evolução vem a necessidade de dedicação e nesse momento eu optei por não me dedicar inteiramente a nada em especial. 


Com isso tudo só quero dizer que a inspiradíssima está bem, mas ela precisa de férias, de tudo. 
Saibam que amo cada um de vocês, mesmo não sabendo quem são. 
A unica coisa que sei é que é bom demais saber que tem alguém ai do outro lado, que bem ou mal, me lê. 


Um beijo! 

Os três pontos...

Durante três exatos dias ela teve certeza de que tudo aquilo estava prestes a acabar. Não acabar de uma vez, mas acabar de forma progressiva-regressiva. Aumentando e acabando, como numa onda. 
Muitas foram as vezes em que ela terminou frases com três pontinhos e poucas foram as vezes em que ele se preocupou com isso.
Certo dia ela pensou em mandar uma mensagem:
"Gosto de você. Não se esqueça de nós..."
Leu, leu novamente e resolveu não enviar a mensagem. 


sexta-feira, 13 de maio de 2011

Corre moça, corre...

Eu escrevo como um alguém desenfreado correndo pela rua num dia de chuva.


Essa pessoa que corre busca amor, busca alguém que talvez esteja o tempo inteiro com as malas arrumadas e passagens compradas para ir embora e deixa isso bem claro.

Essa pessoa que corre busca muito mais do que um amor, um alguém, ela busca aquela outra pessoa, busca a parte daquela pessoa que fez com que ela pudesse ser um pouco mais ela novamente.

Chego a sentir o cheiro da chuva, a temperatura e confesso eu sou um pouco dessa moça. Eu invejo essa pessoa que corre, pelo menos ela se permite correr.

Corra moça, corra, pare de chorar e apenas corra.

Corra e enquanto corre lembre-se de dias inesquecíveis, beijos incontáveis e planos que vocês dois sabem que não 'cabem', mas mesmo assim não deixam de ser de vocês.

Não perca a chance de, pelo menos uma única vez na vida, fazer algo valer a pena.

E assim, mais uma vez, me sento e assisto filmes que se passam apenas na minha cabeça...
segunda-feira, 2 de maio de 2011

É bom saber...


É bom saber que alguém me 'lê'.
É bom saber que, de vez em quando, tem alguém ai do outro lado que sabe exatamente como eu me sinto.
É bom saber, é bom saber.
sexta-feira, 29 de abril de 2011

Bom é quando faz bem!

"Só o que eu posso te dizer é 'Bom é quando faz mal!'"(Bom é quando faz mal - Matanza) - Mas, e quando bom é quando faz bem?
E se ele acaba te propondo pequenas 'ilegalidades'?
Apenas viva, se imponha limites menos rígidos e fuja da rotina de vez em quando.
Saiba medir as coisas e perceber quando algo te faz realmente bem. Porque não existe coisa melhor do que chegar sorrindo em casa, dar 'boa noite' ou 'bom dia' a quem não conhece, não só por educação, mas também por vontade de falar, sorrir.
Isso não significa que eu vá apoiar alguém que diz ser feliz quando machuca alguém. Mas quando se é feliz sem interferir na vida do outro agora é hora de parar de se amarrar a certos conceitos impostos por uma sociedadade, que em sua grande parte, vive de aparências.
Apenas faça absolutamente tudo que esteja dentro dos seus limites.
Não olhe pra tras e não tenha medo do lanterninha do cinema. Faz bem.
terça-feira, 26 de abril de 2011

Bloqueio criativo-sentimental...

... tenho passado por isso, mas não significa que eu não use minha criatividade em outras áreas de minha própria vida ou que eu tenha parado de sentir. Eu apenas não sei mais como resumir em palavras tudo aquilo que eu tenho sentido ultimamente.
  A tal inspiração tem brincado de 'esconde-esconde' comigo; Quando posso escrever, ela some. Quando não posso, ela aparece.
  Eu fiz planos concretos de modo de vida e resolvi executar todos esses, mas existem determinadas coisas que não dependem de mim. Minha vida mudou de rumo em menos de 15 dias. E todos os planos foram sutilmente desfeitos por uma unica parte de mim que não me obedece: o meu coração.
  Eu não sei como descrever exatamente o que está acontecendo, não sei mesmo. Mas me limito a dizer que tenho me perdido dentro de olhares e toda vez que lembro sinto vontade de chorar, de alegria.
  Então fico assim, meio ausente-presente, olhando, fotografando, sentindo, deitando em puffs por ai...

  Sem mais,
  Thaís Leal.
segunda-feira, 11 de abril de 2011

Bolachas.

Vem cá, você já acordou se sentindo a última bolacha do pacote?
Muita gente encara essa expressão de forma ruim, mas ultimamente tenho me sentido assim. Isso tudo por conta de uma reeducação alimentar que entra em sua terceira segunda-feira, os jeans que vão ficando mais largos e até mesmo a aparição da extinta sra. cintura (nada demais, mas já alguma coisa).

Eu nunca fui uma gordinha preocupada com aparência física, nunca me meti em dietas loucas. Mas de uns tempos para cá, algumas coisas tem me incomodado e minha alimentação estava nesse grupo de coisas.
Não tem sido nada de outro mundo, uma troca aqui, outra ali. Não estou passando fome, muito menos vontade. O único problema mesmo é comer de 4 em 4 horas, no fim do dia fica aquela sensação de ter comido demais.

Por essas e outras, a inspiradíssima aqui anda achando que é uma bolacha de posição considerável dentro do pacote.
Roupas folgadas, sorriso no rosto e fibras, muitas fibras na bolsa.
sexta-feira, 11 de março de 2011
Haverá um dia em que você não haverá de ser feliz.
Sem tirar o ar, sem se mexer, sem desejar como antes sempre quis.
Você vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser.
Quando chover, deixar molhar pra receber o sol quando voltar.
Lembrará os dias que você deixou passar sem ver a luz.
Se chorar, chorar é vão porque os dias hão pra nunca mais.

Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você.
Chorar, sorrir também e depois dançar, na chuva quando a chuva vem.
Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você.
Chorar, sorrir também e dançar.
Dançar na chuva quando a chuva vem.

Tem vez que as coisas pesam mais do que a gente acha que pode aguentar.
Nessa hora fique firme, pois tudo isso logo vai passar.
Você vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser.
Quando chover, deixar molhar pra receber o sol quando voltar.
(Felicidade - Marcelo Jeneci)

xxxxxxx

Os tempos são de recomeço, reconhecimento e muito orgulho por ter feito tudo do jeito certo, por mais que não tenha alcançado o resultado desejado. 
Momento em que o corpo se fecha, diferentemente dos olhos, o coração apenas bombeia sangue e finge não sentir mais nada. A cabeça quer esquecer determinados detalhes e a alma só pede um pouco mais de calma, tempo, mar, areia.... 



segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Eu-não-sei!

Como já repararam eu sempre evitei escrever em primeira pessoa por aqui.

Tenho contado a vocês histórias minhas através de um pedaço de música ou conto.
Mas hoje acordei com a necessidade de desabafar e não sabia com quem.

Eu não sei namorar. Sou melhor como amiga que você anda de mãos dadas e beija de vez em quando.

Acho que me dou melhor com a falta de compromisso. Só assim não me cobro, não cobro o outro e assim o tempo passa... mas infelizmente, as coisas não se solidificam. 

Não me incomoda o fato de ter que ser fiel, dedicar um certo tempo a determinada pessoa ou sei lá o que.
O que me incomoda mesmo é quando eu passo de namorada que ouve os planos, ri das piadas e compartilha desejos, a mãe que dá bronca, reclama do horário de chegada em casa e diz tudo que o outro tem que fazer num dia.

É incontrolável. Talvez eu precise fazer algum tipo de tratamento ou  é um irremediável defeito meu. Mas tem me incomodado, muito.

Preciso rever coisas, sentir uns abraços e deixar as coisas acontecerem.

Com lágrimas nos olhos,
Thaís Leal.
domingo, 30 de janeiro de 2011

O MEU para sempre.

"De todos os desejos de um ser humano, o meu desejo mais latente sempre foi o do amor.

Muitas foram as vezes que desabafei com alguns amigos a minha falta de sorte no amor, dias depois de ficar com você. Nós dois, para mim, não faziamos mais sentido como um casal. Eramos apenas um momento, algo que nasceria, cresceria e morreria no final da noite. Mas muito tempo se passou, muita coisa mudou e por fim me vejo assim.
E logo eu, que sempre falei sobre perda de tempo, nunca me dei conta que perdi muito tempo procurando por você em outras pessoas.
Procurava seu sorriso, cheiro, cabelo, jeito, toque, tudo. Por mais que não encontrasse eu insistia.
Foi preciso muito tempo, muito choro e noites sem dormir para que eu realmente percebesse que era para você que eu sempre volto e pretendo continuar voltando.
Eu preciso do seu carinho, atenção, risada no cinema e também preciso da sua mão e apoio nos momentos mais difíceis.
Por alguns anos você tentou e somente agora eu pude ver que aprendi a te amar.
Espero que me entenda, espero que seja recíproco e espero que seja você o MEU para sempre."


Ela salvou o arquivo em seu computador e pensou que um dia desses poderia realmente dizer isso tudo a ele.
terça-feira, 25 de janeiro de 2011
"Outro dia me peguei fazendo uma lista de características que eu procurava em alguém e curiosamente elas, todas, resumiam você.
[...]
Eu preciso do seu carinho, atenção, risada no cinema e também preciso da sua mão e apoio nos momentos mais difíceis.
Por alguns anos você tentou e somente agora eu pude ver que aprendi a te amar. "
segunda-feira, 24 de janeiro de 2011
"...E logo eu, que sempre falei sobre perda de tempo, nunca me dei conta que perdi muito tempo procurando por você em outras pessoas.
Procurava seu sorriso, cheiro, cabelo, jeito, toque, tudo. Por mais que não encontrasse eu insistia.
Foi preciso muito tempo, muito choro e noites sem dormir para que eu realmente percebesse que era para você que eu sempre volto e pretendo continuar voltando..."
quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

A falta.

A forma de escrever já não é mais a mesma, mas a vontade permanece.
São incontáveis as pseudo-crônicas, escritas por mim, que foram escritas pela metade e salvas daquele jeito mesmo.
É... a falta de inspiração me pegou de jeito.
A temática sempre foi o amor e tudo que gira em torno dele. Ai me pego pensando:
- A falta de inspiração se dá pela falta de amor Srta. Inspiradíssima?

Nesse ano novo que passou fui a praia assistir aos fogos, é como se fosse um ritual e assim que tudo aquilo começou a estourar no céu, eu fechei os olhos e apenas me deixei sentir a emoção daquilo, comecei a rezar.
Pedi a Deus, com toda sinceridade do mundo, que ele fizesse da minha vida o que achasse certo e que tirasse de mim aquela vontade incontrolável de encontrar alguém.

Pois bem, me senti revigorada. Ando tentando não pensar mais no assunto... mas li uma coisa interessante esses dias...
"Em luta, meu ser se parte em dois. Um que foge, outro que aceita." (Caio F. Abreu)
É assim, sempre assim.

Sem mais...
quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Uma verdade!

Uma conversa, por MSN: 

inspiradíssima: Porque pessoas somem quando começam a namorar?
fulano: Porque elas estão namorando uma pessoa nova. 

inspiradíssima: Tá, mas porque somem?
fulano: Porque conhecer alguém novo demanda esforço e tempo. 

É... acho que acredito nele.

About Me

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

Inspiradíssima 2010. Layout editado por Thai Leal. Tecnologia do Blogger.